Comunidade desportista contesta situação do campo no distrito do Pacarana

“Este ano não vamos nem fazer o jogo casados contra solteiros”, afirmou Cirção.

A comunidade do distrito de Boa Vista do Pacarana localizado a 86 km da sede do município passa por dias de abandono por parte do poder público. As ruas da comunidade que no início do ano foi feito uma recuperação paliativa já se encontra totalmente entregue aos buracos.

20171223_173656

O asfalto que atendeu algumas ruas já tem crateras que são verdadeiras armadilhas para os condutores de carros e motos desavisados. Passeios e ruas tomadas pelo mato retratam a ausência do poder público na comunidade que a tempos aprendeu a se virar como pode. “Tudo aqui no Pacarana é sempre feito nas coxas, parece que o povo não gosta daqui não”, desabafou o mecânico enquanto com uma enxada tentava desviar a enxurrada que invadia o seu estabelecimento.

20171223_173139

Tendo a distância da sede como ponto negativo, o distrito do Pacarana carrega o estigma de uma comunidade esquecida. Para retratar essa ausência do poder público na comunidade basta fazer uma visita ao campo local. Um espaço alternativo onde o cidadão local poderia praticar esporte, fazer caminhadas se encontra largado no meio do capinzal.

20171223_173719

Não é comum encontrar cavalos e cabritos se deliciando com o capim verde que brota no local. Um campo construído a décadas pelo então secretário de obras Darci Kischener e que já foi palco de jogos importantes é hoje o retrato do abandono por parte da “Capital do Esporte”. Distrito doo Pacarana uma comunidade pacata e trabalhadora que sempre contribuiu com a economia do município.

20171223_173526

Principalmente na fase áurea da madeira, mas hoje é jogada de lado como um estorvo, uma região cheia de problemas que só é lembrada e valorizada em época de eleição pelos seus mais de 1.500 eleitores que aqui votam. Um ano se passou e nada mudou, outro ano se aproxima e as previsões continuam escuras como antes. É muito mi…mi… e pouca objetividade em prol desse povo.

Autor: Luizinho Carvalho/Sociólogo