Espigão: Cidades de Rondônia vão oferecer cursos superiores gratuitos em 2018

Estado é o primeiro a ser abrangido com o plano de expansão da universidade

Cerca de 1.000 vagas gratuitas de ensino superior à distância serão disponibilizadas em 11 municípios de Rondônia. A oferta é resultado de uma parceria governativa entre a Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP), Estado de Rondônia e municípios.

Com início previsto para o segundo semestre de 2018, a plataforma online de educação abrirá ingresso para graduação nos cursos de Engenharia da Computação, Engenharia de Produção, Licenciatura em Biologia, Licenciatura em Física, Licenciatura em Matemática, Licenciatura em Química, Pedagogia e Tecnólogo em Gestão pública.

Um convênio está sendo confeccionado entre Prefeitos, Governo e a Universidade paulista, que é pública, para operacionalizar a dinâmica de aprendizado virtual. Na prática, o Estado e os municípios contemplados oferecerão contrapartida de apenas sala de aula e a cedência de um professor, para cada polo, que coordenará a estrutura física.

Cada espaço terá 50 computadores com acesso à internet e impressora, para servir de apoio diário aos acadêmicos, sendo que, as aulas serão ministradas virtualmente pelos professores da UNIVESP uma vez por semana.

Detalhes sobre uma forma isonômica de promover o ensino superior nos municípios foram discutidos em reunião na noite de terça-feira (05), em Porto Velho, com o diretor da UNIVESP, Ricardo Bocalon.

Entre os presentes, estiveram o vice-governador de Rondônia, Daniel Pereira, os deputados estaduais, Cleiton Roque e Airton Gurgacz, e os Prefeitos de Colorado do Oeste, Professor Ribamar (PSB), de Espigão do Oeste, Nilton Caetano, de Novo Horizonte, Cleiton Cheregato, e de Candeias, Luiz Ikenohichi.

O diretor da UNIVESP, Ricardo Bocalon, explicou que Rondônia é o primeiro estado a ser abrangido com o plano de expansão da universidade e que o número de vagas será entre 150 e 200 por cidade. Ele informou que cada professor lecionará para 150 alunos na plataforma.

Enquanto que, nas instituições particulares virtuais, o normal é um professor para 800 estudantes. O gestor educacional afirmou que as atividades acadêmicas incluem assistir a vídeo aulas, acessar material didático e bibliografia das disciplinas e tirar dúvidas do conteúdo com tutores.

Fonte: Assessoria